agora que estou a apanhar pinhoes e a carpir como uma madalena azeda, lembro-me de ti quando eras capaz de amanhar a hortinha e de martelar, com o teu martelinho, os nossos pinhoes mas nao de vires ter comigo para saber porque estava eu triste, fechado em mim ou sem vontade de tocar-te. quanto teria custado olhares para a nossa vida sem o dogma (ou o orgulho) de pressupores que a culpa ou o erro estariam fora de ti – ou daquilo que de ti dependia – e quao facil teria sido a reconciliacao definitiva, um encontro no mesmo reduto de tranquilidade e de entreajuda que nos viu apaixonar de maos dadas e com elas carregar as caixas, os livros, os banquinhos e os percalços dos anos todos em que acreditámos que seria para sempre? eu queria tanto ser velho e novo contigo. e gosto tanto de ti. nao quero esquecer-te nunca, prefiro fingir ao longo de toda a vida pelo caminho que me for mais paliativo, até alguém dar comigo já engelhadinho ao sorrir, quieto, deitado na cama com o desenho de nós dois a sorrir, tambem de maos dadas, que o xxxx fez um dia, e que ainda mantenho, exposto e bem limpinho sem pós nem bolores – bem apertado nas minhas maos já hirtas, mortas, finalmente vencidas, sobre o peito onde o meu coração te guarda e para sempre ira guardar faças tu o que fizeres.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s