Reason obeys itself; and ignorance submits to whatever is dictated to it

Ouço dizer que há um sol inclemente agora, que não devia haver dias de trinta e cinco graus tão tarde em Outubro. Não há quem escreva direito quando se ouviu, durante instantes intermináveis, uma mãe carpir o filho, que também não devia haver filhos a descer à terra antes dos pais, sobretudo à beira dum Outono que nem folhas caídas deverá ter. E isto dá-me vontade de mandar à real merda quem julgue saber, sequer de raspão, em que país vivemos.

No retrato a quente, cheio de verdes fora do sítio e de poeira e de moscas perenes e de estações trocadas, no país onde eu vivo, há pessoas que morrem triplamente assassinadas.

Primeiro, morrem por terem nascido com nada mais do que uma ténue verosimilhança de poderem, um dia, alcançar uma vida estável na terra onde sorveram as primeiras golfadas de ar. Tem culpa quem achou e continua a achar que habitamos uma região civilizada do globo.

A seguir, morrem esquecidas e deixadas à sua sorte pelo mesmo Estado que alimentam e que faz ponto de honra em extorquir-lhes (dir-se-ia que nisso se comprazem) toda a água, sal e ureia que os corpos puderem gerar. Já vi dois sogros, um tio e indirectamente mais meia dúzia de casos partirem sem regresso, muito antes da sua hora, por culpa, repito, culpa no sentido formal, ético, jurídico e deontológico do termo, do Estado português. A negligência, a estupidez e o fardo das décadas fazem com que haja aí, à solta, uma besta maior que todos nós e que nos leva aqueles a quem amamos, só e apenas porque alguns de nós ainda crêem que as coisas podem funcionar como é esperado.

E por fim morrem aguardando, implodidos, sucumbindo ao próprio peso, numa espécie de hino débil e retorcido à condição humana, agravados pela miserável e abjecta circunstância sob a qual insistem, ano após duro ano, em deixar bater o coração. Num hospital, num ficheiro qualquer, na estrada, no quarto sombrio e calado.

Então, nesta terra, a um dia de semana em que trinta e cinco graus e folhas verdes desmentiam Outubro e ainda voavam moscas, teve de haver outro enterro, onde sabem que mais, estava cheio de gente, e cheirava a resignação, e a pó, e a sujo e a vinho e a cansaço e a despojo e havia um odor dentro do odor e nas veias e nas calças gastas de quem já não trabalha e por isso pode ir a funerais em dias úteis, nesses tecidos havia muito pouca coisa que eu tivesse visto que me fizesse mudar de ideias quanto à verdadeira lástima que se tornou este país onde ainda vivemos.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s