Tenho aqui os exames de Matemática A e B – 12º ano, de 2008.

Aconteceram, hoje, três coisas em linha com o que era expectável:

– o exame era muito acessível; houve uma questão oferecida (a 5, que, em suma, pedia ao examinando que calculasse uma área que a sua calculadora poderia facultar-lhe com dois cliques) e várias outras de resolução bastante rudimentar. Sei ainda que os critérios de correcção deste ano são mais lenientes do que os de anteriores épocas. Vantagem estatística… ou tapar o sol com uma peneira, dando por penhor a literacia de gerações futuras num Estado onde servir à mesa valerá qualquer dia (novamente, desculpem) o mesmo reconhecimento do que seccionar corações, projectar aeronaves, ou desenvolver investigação laboratorial.

– as dificuldades sentidas pelos examinandos foram quase as mesmas, quantitativamente face à amostra que compareceu hoje, que teriam sido nos anos transactos; descobre-se agora com perplexidade entre as hostes da DREL e afins que os putos, além de ficarem bloqueados por não serem capazes de descodificar um enunciado escrito na mais básica, directa e rectangular expressão da língua materna, também se atrofiam (intimidam) face às diferenças entre as questões que compõem o exame e aquilo que viram durante o ano inteiro; ou seja, o velho quadradinho da “adaptabilidade a novas situações” desapareceu, talvez porque os responsáveis pelo ensino não sabem o que são novas situações, já que não saem dos gabinetes há vinte anos.

– o pessoal vai todo para economia, gestão, contabilidade ou cursos de belas-artes. Para depois poderem trabalhar num banco a ganhar 450 euros e a apanhar as sobras das cunhas dos tios. Mas isto até faz algum sentido, uma espécie de nexo perverso: não se valoriza, neste país, o rigor, o conhecimento, as práticas de apuramento da “boa” verdade enquanto única garantia da liberdade de pensamento e de um Estado de Direito. Em vez disso, preza-se o chico-espertismo, a mediocridade e a celeridade na obtenção de méritos aparentes, em prol da manutenção do statu quo – o reino dos pobres de espírito.

Benditos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s