Não sei como te diga hoje teria seguido a estrada até onde o cansaço nos chamasse onde a ausência do teu peito frágil me obrigasse Não sei como pegar em tanta vontade de te despir provar aquecer cobrir com as mãos enlouquecer Nas conversas, nos filmes, nos momentos Nas noites frias, nos segredos, nos ventos Amo-te, amo-te, amo-te

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s